terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA 1ºFASE

Na reunião de Grupo de Português deste ano lectivo, o elemento da equipa da BE, Júlia Melo, informou todos os professores de que a biblioteca deste Agrupamento iria, de novo, participar no Concurso Nacional de Leitura e que a seleção dos alunos representantes da Escola EB2,3/S de Arcos de Valdevez deveria realizar-se durante o primeiro período, tal como nos anos transatos.

Face à experiência anterior, a equipa pediu aos professores de Português que sugerissem e colaborassem, quer na escolha das obras para concurso quer na seleção de, aproximadamente, dois alunos de cada uma das suas turmas, por ano de escolaridade, para realizarem a prova de apuramento final.

As obras selecionadas foram as seguintes: para o 7º ano, O Cavaleiro da Dinamarca; para o 8º ano, o conto A Gata Borralheira; para o 9º ano,  A Aia e Singularidades de uma Rapariga Loira, Eça de Queiroz e para o Ensino Secundário, dois contos da obra Novos Talentos FNAC – Literatura 2011: Entrevistas de Emprego, de Regina Samagaio, e João, o Trovador, de Emílio G. Miranda.

As provas de seleção foram realizadas no dia 10 de Janeiro de 2012 com a seguinte calendarização: os alunos do Ensino Básico, às 11h 55m, e o Ensino Secundário, às 14h 40. As provas decorreram na sala de estudo permanente, situada no polivalente. 

No dia 12, os resultados foram apresentados pelas professoras que apreciaram as provas: 7º ano – as professoras Filipa Vilaverde, Elisabete Oliveira, Glória Esteves e Rosa Maria Monteiro; 8º ano – as professoras Rosa Branca Silva, Cláudia Cerqueira, Lurdes Sousa e Rosa Maria Silva; 9º ano – a professora Cláudia Varela; 10º, 11º e 12º anos – as professoras Júlia Melo e Maria Helena Aguiar. Assim, foram selecionados os seguintes alunos:
  • 7º ano – turma D – Nº6 – Hugo Pereira – 1º lugar
  • 7º ano – turma A – Nº4 – Francisca Maria C. L. de Abreu e Lima  - 2º lugar – suplente
  • 8º ano – turma G – Nº1 – Ana Rita Gonçalves Rodrigues - 1º lugar
  • 8º ano – turma D – Nº1 – Ana Luísa Dias Amorim  - 2º lugar - suplente
  • 9º ano – turma F – Nº9  – Maria Luís Fernandes – 1º lugar
  • 9º ano – turma F – Nº20 – Vanessa Marie Almeida – 2º lugar - suplente
  • 10º ano – turma A – Nº19 – Márcia Isabel da Silva Barreiro - 1º lugar
  • 10º ano – turma A – Nº22 – Sara Mª Brito Araújo Cerqueira – 2º lugar - suplente
  • 11º ano – turma C – Nº2 – Alexandra Mª Martins da Silva - 1º lugar
  • 11º ano – turma C – Nº25 – Vera Inês de Amorim Araújo – 2º lugar – suplente
  • 12º ano – turma B – Nº2 – Ana Sofia Alves Gonçalves - 1º lugar
  • 12º ano – turma B – Nº20 – Sílvia Maria Esteves Fernandes  – 2º lugar – suplente
 
Os resultados foram afixados e transmitidos a todos os concorrentes pelos seus professores: 7º ano – os professores Filipa Vilaverde, Filipe Machado, Elisabete Oliveira, Glória Esteves e Rosa Maria Monteiro; 8º ano – as professoras Rosa Branca Silva, Cláudia Cerqueira, Lurdes Sousa e Rosa Maria Silva; 9º ano – a professora Cláudia Varela; 10º, 11º e 12º anos – os professores António Machado, Cláudia Varela, Júlia Melo e Maria Helena Aguiar.

 A equipa da BE muito se congratula com a adesão de professores e alunos que se empenharam na concretização desta actividade.

Projeto didático–Música e Sociedade

Lições-concerto para o ensino Secundário, na Casa das Artes

O professor italiano Maurizio Padovan, nos dias 9, 11 e 12 de janeiro, conduziu os alunos de várias turmas do ensino secundário numa digressão cultural retrospetiva, desde a Idade Média ao Renascimento, passando pela Europa Barroca, até à primeira metade do séc. XX.

Na primeira lição-concerto, direcionada para os alunos do 10º ano, os conhecimentos fluíram num cenário variado de imagens, sons e curiosidades culturais: a invenção da escrita musical pelos monges; a criação poética para ser cantada de castelo em castelo pelos trovadores; o kyrie, designação atribuída à música medieval; os cânticos gregorianos e os instrumentos musicais mais comuns; a referência a Os Carmina Burana e a influência franco-provençal da poesia trovadoresca, ilustraram claramente a afirmação do início da sessão – A música é uma imagem da nossa sociedade. Avançou-se no tempo e a época renascentista impôs-se. Em Itália, na cidade de Milão, a sociedade deslumbrou-se com um músico excecional, acabado de chegar: Leonardo da Vinci. Foi uma surpresa condimentada com o facto de este génio plurifacetado tocar um instrumento de prata de sua própria invenção.

No dia 11 de janeiro, os alunos do 11º ano assistiram ao nascimento do teatro musical e à abertura da arte de representar ao público em geral. De Veneza, passaram pela corte francesa iluminada pelo Rei-Sol, Luís XIV, pela Alemanha, onde J. S. Bach compôs sinfonias prodigiosas, sempre atuais, cujas adaptações fazem sucesso em vários estilos musicais contemporâneos. Nesta sequência, conheceram-se os cantores castrati, sua história de vida singular e triste e seus êxitos tão estrondosos quanto solitários.


E, finalmente, no dia 12, os alunos do 12º ano viajaram no encalço dos “Percursos musicais da primeira metade do séc. XX”, da Europa à América. Assim, aproveitando as potencialidades da imprensa, a música expandiu-se pelo mundo inteiro; seguidamente, conheceu a invenção do disco e a primeira gravação musical. Compositores talentosos, como Eric Satie, o francês Claude Debussy e o russo Igor Stravinsky imprimiram à música inovação. Da mesma forma, a pintura pós-impressionista de vanguarda, em que um dos expoentes é Pablo Picasso, as construções arquitetónicas da Belle Époque, bem como outras manifestações artístico-culturais evoluíram surpreendentemente, trazendo novidades concetuais diferentes e arrojadas. A 1ª Grande Guerra, apesar do rasto de destruição e sofrimento, deixou emergir a Escola de Arte alemã – a Bauhaus – de onde saíram artistas de qualidade e inovadores. O dramaturgo Bertolt Brecht agarra num novo conceito de fazer teatro, propondo ao espetador uma atitude intelectualmente ativa, no desenrolar do espetáculo. Da sua produção consta a atualização da Ópera dos Três Vinténs. Chegando à América, a música de George Gershwin enche a sala, assim com o Jazz e o cinema.

No final de cada lição-concerto, os alunos aplaudiram e afirmaram verbalmente o seu agrado e interesse pelos conteúdos abordados e pela sua exposição.

Escritores na BE - Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada


Dia 2 de fevereiro nas bibliotecas do Centro Escolar de Arcos de Valdevez e de Sabadim
3º e 4º anos de escolaridade.

terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

Concurso Contos de Natal

No âmbito do Plano Nacional de Leitura (PNL) os alunos de duas turmas do 3ºCiclo, sob a orientação das professoras de Português, Cláudia Cerqueira e Cláudia Varela, realizaram algumas leituras e apresentaram-nas à turma, de uma forma criativa e elaborada.
O 1º e 3 ºlugar foram atribuídos a dois alunos do 9ºF, da Escola Sede, Pedro Ribeiro e Vanessa Almeida,respetivamente. O 2º lugar foi atribuído à aluna Andreia Freitas da turma H do 8º ano, do Centro Escolar Dr. Manuel da Costa Brandão, sita em Sabadim. Convidamos os visitantes deste blogue a deliciarem-se com a leitura desses contos abaixo transcritos.


1ºPremio

Uma Nova Esperança
"Estamos na madrugada do dia 24 e estou aqui, deitado na cama, e, como em todos os outros dias, não me consigo mexer, falar, ser feliz. Tenho a sensação de que hoje e amanhã vão ser dias exatamente iguais aos outros, ou até mais tristes. Isto tudo graças àquele dia na piscina da Joana, que era a minha melhor amiga (até ao meu “acidente”). Voltando à história, estávamos na casa dela e estávamos todos a fazer saltos para a piscina, eu, armado em parvo, sim, parvo é a palavra certa, lembrei-me de subir ao muro que estava encostado à piscina e saltei.
Pedro Ribeiro"

2ºPremio

Como é ser rico?
"Numa vila acolhedora e sossegada, existiam duas famílias vizinhas completamente diferentes. Não só as famílias eram diferentes, como as pessoas, a maneira de viverem, o amor e a ternura passadas para a família, melhor dizendo uma família era rica, cheia de bens e com uma casa enorme e a outra era pobre com uma casa pequenina mas muito acolhedora.
Andreia Freitas"

3ºPremio

Há males que vêm por bem
"Estávamos no mês de dezembro. Na Serra da Estrela, a neve caía formando um imenso manto branco, que cobria as ruas e as árvores despiam os seus casacos, ao contrário de toda a gente, e substituíam-nos por vestes brancas. A Lara olhava da janela do seu quarto os flocos de neve que caíam e contava-os. Sentia-se só, triste e desamparada. Fazia hoje um ano que a sua avó falecera, a única pessoa com quem podia desabafar, que a fazia rir vezes sem conta e com quem fazia aqueles bolos que saíam sempre bem. Resumindo, era a única pessoa que lhe ligava lá em casa.
Vanessa Almeida"